Constelações Familiares são movimentos profundos que atuam em nossa alma. São muito simples, e talvez por isso mesmo agem com tanta força! A constelação nos mostra que o importante é o movimento que ali se inicia, promovendo novas formas de olhar para as situações e isso é o que nos impulsiona ao futuro, e não a imagem final. Costumo dizer nos grupos de constelações que as pessoas não se preocupem em desejar que a constelação termine com abraços…ela termina no ponto em que a própria pessoa é capaz de dar o próximo passo!

Nos dias seguintes da constelação, por algumas semanas, meses e em alguns casos até dois anos a pessoa continua processando tudo que vivenciou na sua constelação. Durante este tempo a pessoa elabora as mudanças que vão ocupar um novo lugar na sua vida. São mudanças sutis de consciência; as vezes imperceptíveis e muitas vezes notadas por quem convive com esta pessoa.

É interessante observar que alguns membros da família ou pessoas envolvidas no campo da constelação, mesmo que estejam distantes sentem os efeitos daqueles movimentos e muitas vezes modificam também a sua forma de agir e o seu comportamento. Isso fica muito claro quando se trata, por exemplo, de constelações realizadas no judiciário, em que algumas vezes apenas uma das partes envolvidas na questão está presente e posteriormente a outra parte concorda em rever o seu processo e ambos encontram uma conciliação. O juiz brasileiro, Dr. Sami Storch foi quem iniciou em 2006 a utilizar as constelações familiares na comarca de Itaúna, na Bahia, onde exercia seu trabalho. Seus resultados foram tão surpreendentes que recebeu um convite do próprio Bert Hellinger, criador das Constelações Familiares para apresentar suas descobertas à uma plateia de mais de 500 pessoas, durante um Seminário em 2015 na cidade de Bad Reichenhall, Alemanha. Nesta ocasião Dr. Sami  apresentou estatísticas comprovado que mesmo quem não está presente pode ser sensibilizado pelos movimentos sistêmicos.

Observo também que a pessoa que constela pode apresentar sintomas físicos depois da constelação. As vezes acontece de sentir bastante sono… e é importante que se conceda este tempo para descansar e dormir pois o sono acomoda a energia de tudo que foi visto e processado pela alma. Às vezes pode desencadear até uma gripe, cansaço ou algumas dores no corpo; vale a pena observar estes sinais, porém sem preocupação. Uma nova consciência requer “acomodações” físicas, que podem até se mostrarem doloridas num primeiro momento, e que vão fortalecer novas atitudes perante a vida.

Depois de uma constelação não devemos tomar decisões por impulso. É melhor deixar que tudo aconteça com respeito pela vida; aceitando assim como é, olhando para o futuro de possibilidades e assumindo as suas próprias responsabilidades. Isso fortalece. Como me disse uma jovem depois de assistir a um grupo e constelações “agora compreendi que cada um pode suportar aquilo que é seu”.

Como a constelação continua agindo durante um tempo é preciso que a pessoa aceite e crie este espaço em si mesma para assumir este caminho mais aberto para o futuro. E entenda que os movimentos podem continuar fluindo após a constelação…  até mesmo se ela esquecer as imagens da sua constelação, ainda assim algo se movimenta nesta pessoa e em todo o sistema familiar envolvido.                        

Bert Hellinger nos mostra que a constelação age com um profundo respeito a toda história de vida do cliente e do seu sistema familiar sem julgamentos sobre o que seja certo ou errado; a constelação apenas mostra a verdade e aquilo que precisa ser aceito e compreendido.

Share This