Todos nós estamos, de alguma forma, “emaranhados”.

Isso não é bom, nem ruim. Pode acontecer que alguns de nós, por causa destes emaranhados, temos mais dificuldades na vida e então podemos buscar possibilidades de cura e solução. Para isso a constelação familiar serve muito bem. Quando estamos enredados nas histórias de nossos familiares a constelação pode mostrar com clareza onde podemos encontrar o equilíbrio.

Quando constelamos uma família; seja a família de origem por exemplo, com os pais, irmãos ou avós; ou a família atual, que são os cônjuges e filhos; podemos descobrir os emaranhamentos em que estão envolvidos alguns de seus membros. Pessoas participantes do grupo se associam e sentem, imediatamente assim como estão se sentindo as pessoas a quem representam. Isso fica claro, e o cliente até consegue identificar quem são…Sabemos que isso é possível pelo campo morfológico, e a história de antepassados pode surgir com toda a sua verdade.

Também podemos ver na constelação se alguém foi excluído e a força que isto tem. Muitas vezes a família deixa de lado alguém que não foi adequado ou que causou algum mal à outros; e não mencionam mais esta pessoa, até a tentam esquecer…Porém a Vida não julga, apenas aceita a todos como são, e a exclusão causa danos aos que pertencem ao sistema familiar. Vê-se também se alguém quer morrer; e se um filho quer “ajudar” a seus pais, assumindo dores e sofrimentos. Assim os movimentos vão acontecendo e direcionam onde está o emaranhamento. O constelador confia no que se mostra, com o olhar neutro e sem nenhuma intenção.

Compreendemos o que a imagem nos quer dizer, e assim se revela o necessário.

Então podemos perceber na constelação que as mesmas forças que causam as dificuldades também atuam na solução!

E o que causou um emaranhado pode ser liberado com a compreensão e aceitação, pois os movimentos que o cliente percebe são suficientes para que promovam as mudanças necessárias.

Algumas vezes já disse nos cursos em que sou ministrante, que ao nos depararmos com uma pessoa problemática, amarga ou insensível, podemos olhar para ele(a) com tolerância, percebendo que não é uma pessoa “má”; apenas está emaranhada…

Nem sempre um emaranhado é complexo, às vezes pode ser algo simples, como a profissão escolhida, ou a missão que o cliente sente que deve seguir. E, com a clareza da constelação perceberá os motivos de sua escolha, ficando livre para continuar com alegria; ou para abandonar algo que era “pesado” e difícil. E a missão, que ao mesmo tempo nos obriga e nos dá força, fica leve quando reconhecemos que nossas escolhas não são meros acasos.

Bert Hellinger nos diz que as constelações, fundamentalmente tratam de nosso futuro e nos levam para frente. Nosso professor Wolfgang Dreusser, da Hellinger Schulle, nos mostrou em nosso último módulo de Direito Sistêmico, uma imagem belíssima: a força positiva que adquirimos como impulso ao futuro quando olhamos para nossos pais assim como eles são e os aceitamos, vendo atrás deles a grandeza da Vida!

Os emaranhamentos que aparecem nas constelações fazem parte da história de cada pessoa e devem ser olhados com respeito. Cada história é única, e igualmente boa. Constelar é um trabalho sério, não se pode fazer de maneira superficial e deve ser encarado com responsabilidade por ambos: cliente e constelador.

Share This