Falo agora às mães que, assim como eu, um dia se depararam com um segundo coração pulsando fora do peito, nos olhando c/ olhinhos miúdos. Esses olhos que, aos poucos, vão ganhando metros, milhas de distância, mas que continuamos a olhar. Esse pequeno ser, a quem alimentamos com nossas entranhas, nosso leite, e continuamos a alimentar por toda a vida, com todo o universo de amar.

Qual mãe já não sentiu dúvidas se está realmente fazendo o melhor para este, que depositou nela sua intenção de nascer e crescer, confiando completamente aos seus cuidados toda a fragilidade e dependência de um mamífero humano recém-parido?

A mãe que nasceu em mim há nove anos também cresce a cada dia. E aprende com tudo o que está à sua volta, e com o que busca para ser contribuição. Nessa busca, estou participando este ano do Curso Vivencial de Constelações Familiares (link no final do texto). E esta decisão pode ter salvado a vida do meu filho. E a minha. Ou, pelo menos, contribuiu para a vida de ambos ser mais leve. Nunca saberei a extensão disso.

POR QUE ISSO ME TOCOU TANTO

Uma das coisas que mais me chamou a atenção no último módulo dessa imersão, diz respeito aos filhos. De como frases aparentemente inocentes e amorosas podem ter uma repercussão tão negativa, a ponto de levá-los a apresentar sintomas de desequilíbrio, afastamento e doença.

“Se você está feliz, eu estou feliz”. Sim, esta é uma das frases que nunca devemos dizer aos nossos filhos. E, sim, eu disse isso algumas vezes ao meu. Talvez você esteja perguntando: Que mal há em ficar feliz com a felicidade dos filhos? Acaso não é isso que toda mãe deseja?

Pois a Constelação me mostrou claramente que, ao pronunciar esta frase, nossos filhos se veem na obrigação de ficar felizes por amor à mamãe. (Note a mensagem subliminar que ele entende: Se eu não estiver feliz, minha mãe será infeliz). Ingenuamente estamos passando aos nossos filhos a responsabilidade por nossa felicidade. Por amor, eles se esforçarão em aparentar perfeição e felicidade, ocultando suas dores e angústias para nos ver felizes. Isso é muito pesado para eles. E em algum ponto se tornará insustentável.

TE PROPONHO UM TESTE

Nenhum filho é responsável pela felicidade dos seus pais. Se você chegou até aqui, te convido a fechar os olhos e se colocar agora como a filha. Olhe mentalmente para o seu pai e a sua mãe e perceba como é para você se sentir responsável pela felicidade deles. Agora perceba como pode estar sendo para o seu filho. Quanta culpa ele pode estar carregando, mesmo sem saber?

COMO POSSO MUDAR ISSO?

Assumindo completamente a responsabilidade por minha felicidade, dou a meu filho a liberdade de ser e de sentir, desobrigando-o desse peso.

Mas como faço isso na prática? Uma das formas é trazer o tema “filhos” para ser constelado em uma sessão em grupo ou individual. É sempre incrivelmente revelador. Mas você pode fazer algo simples (e poderoso) ainda hoje. E foi o que eu já fiz, assim que tomei consciência do meu equívoco:

Olhe para o seu filho (isso pode ser feito mentalmente, usando uma foto dele, por exemplo) e diga: “Eu sou completamente responsável por minha felicidade. Você fica livre disso.”

Essa compreensão e atitude muda tudo. A partir daí, podemos fazer escolhas diferentes e mais conscientes. E possibilitamos que nossos filhos possam novamente olhar para si mesmos; seus talentos, sonhos e futuro.

Este artigo foi útil para você? Então compartilhe com outras mães!

Escrito por Marcia Bonotto – Terapeuta Holística

Share This